Blog

Quais os tipos de madeiras usadas na fabricação de móveis rústicos

Data:



Quais os tipos de madeiras usadas na fabricação de móveis rústicos
A fabricação de móveis rústicos se tornou uma grande tendência nos últimos anos. Isso acontece porque esse tipo de móvel caiu no gosto popular e passou a compor diversas "cartilhas" relacionadas ao design de ambientes. 
 
Mas quais seriam exatamente as madeiras usadas na fabricação desse tipo de peça? Será que existem outras maneiras de aderir à rusticidade que não seja usando apenas madeira na composição dos móveis? Essas e outras dúvidas é o que procuramos esclarecer hoje aqui. 
 

Entendendo o que são móveis rústicos

 
Antes de qualquer outra coisa, devemos entender o que são exatamente os móveis rústicos. A missão nesse caso é bastante simples. Tente imaginar uma mesa de madeira que você viu em um filme ou mesmo em um sítio e que não parecia ter um bom acabamento. 
 
Pois bem, o mais provável é que esse móvel tenha característica rústica. Isso porque, é exatamente isso que a palavra significa. Diz respeito a algo mal acabado ou que não foi lapidado para que ganhasse um visual mais polido. É disso que se tratam os móveis rústicos. 
 
Mas isso não responde a pergunta sobre os tipos de madeira utilizados na fabricação, certo? Mas não se preocupe, nos encarregamos disso nos próximos tópicos. Siga conosco e confira!
 

Madeira maciça

 
De modo geral, a fabricação de móveis rústicos é realizada a partir de peças de madeira maciça. Essa madeira, no entanto, pode ser de diferentes qualidades. O que elas têm em comum é basicamente o fato de que suas características puras ficam sempre à vista. 
 
Dito isso, a lista de madeiras que podem ser usadas nesse caso inclui: 
 
● Carvalho;
● Caixeta;
● Eucalipto;
● Taeda; e
● Tauari. 
 
Falaremos detalhadamente sobre algumas dessas madeiras nos próximos tópicos. 
 
Eucalipto
O Eucalipto é uma madeira de características únicas, o que é evidenciado por sua tonalidade, veios e nós. Graças a esses atributos, trata-se de uma madeira bastante utilizada em móveis rústicos. 
 
Outro fator que contribui com sua utilização é a que a extração não traz malefícios ao meio ambiente. Não obstante, há ainda a questão de sua alta resistência, que a torna propícia à produção de móveis duradouros. 
 
Para completar, suas cores permitem uma combinação satisfatória com diversos tipos de decoração, o que garante versatilidade das peças produzidas. 
 
Taeda
Em relação à Taeda, podemos dizer que a madeira está na lista das mais utilizadas na produção de móveis em geral. Isso se deve ao fato de ser considerado uma madeira de extração sustentável. 
 
Não por acaso, também é muito útil quando o assunto é produção de móveis com características rústicas. 
 
Carvalho, Caixeta e Tauari
Ainda falando em sustentabilidade, temos aqui os casos do Carvalho, Caixeta e Tauari, que são madeiras duras e extremamente resistentes. Graças a essa combinação de características, também é grande a procura por essas madeiras na indústria de móveis de teor rústico. 
 

Outros materiais úteis para criação de móveis rústicos

 
Além dos tipos citados, temos outros exemplos menos convencionais de materiais usados na fabricação de móveis rústicos. 
 
Dentre eles estão a madeira de demolição, o MDF, o MDP, o Bambu e até mesmo o ferro. Veja como cada um se encaixa nesse cenário. 
 
Madeira de demolição
Apesar de não ser tão facilmente encontrada no mercado, a madeira de demolição é hoje uma das mais procuradas. Isso se deve à sua característica de acabamento com desgaste natural, algo muito desejável no design de ambientes na atualidade. 
 
Esse tipo de madeira, como o próprio nome sugere, é obtido a partir da demolição de construções antigas. Isso por si só faz aumentar o seu preço, pois também acrescenta um toque de personalidade e nostalgia aos móveis. 
 
Um ponto positivo que merece ser destacado novamente é que se trata de um tipo de material ecológico. Além disso, pode ser utilizado na fabricação de praticamente qualquer tipo de móvel. 
 
Isso inclui desde mesas e cadeiras até portas, painéis, sofás, camas e até poltronas. 
 
MDF
Essa normalmente não é a primeira opção da maioria das pessoas quando o assunto é móveis rústicos. Todavia, é fato que mesmo um material como esse que consiste em placa de fibra de madeira pode ser utilizado. 
 
O benefício de usar um material como este é que o móvel fica leve e fácil de manusear. Isso sem contar que o preço é mais acessível em comparação com outros tipos de madeira. 
 
MDP
Assim como o MDF, esse tipo de material não é o mais comumente escolhido para fabricação de móveis rústicos. Todavia, também é uma opção a se considerar, especialmente por ser mais resistente que o próprio MDF. 
 
Além disso, há o fator custo, já que o preço ainda é mais baixo que o de outros tipos de madeira. O ponto negativo fica por conta das dificuldades de uso desse material na parte externa. 
 
Isso porque seu acabamento não é dos melhores, pelo que, costuma ser mais usado em parte interna dos móveis. No caso das peças rústicas, portanto, uma combinação com o MDF pode resultar em algo interessante. 
 
Bambu
Da mesma forma que a madeira e diferente do MDP e MDF, o bambu é um material 100% natural. Embora o trabalho com ele exija uma certa dose de cuidado e criatividade, o fato é que ele também é bastante útil para mobília pautada na rusticidade. 
 
Isso porque visualmente são encantadores e podem compor um ambiente rústico e charmoso ao mesmo tempo. 
 
Vale destacar ainda que, diferente do que muitos pensam, se trata de um material consideravelmente resistente. Isso significa que se bem cuidado, pode ter durabilidade prolongada. 
 
Ferro
Por fim temos aqui o ferro, que também pode ajudar bastante na composição de peças rústicas. Nesse caso, o mais comum é que seu uso seja combinado com outros materiais, o que pode ser peças de vidro, por exemplo. 
 
Seja como for, o fato é que a lista de possibilidades nesse caso é bastante extensa. Com a ajuda desse tipo de material é possível criar desde poltronas estofadas, até mesas, balcões de bar e cadeiras, por exemplo. 



DEIXE SEU COMENTÁRIO: